sexta-feira, 27 de abril de 2018






Título: Eu e Você no Fim do Mundo
Autor(a): Siobhan Vivian
Editora: Intrínseca
Avaliação: ☆☆☆

Sinopse:

E se você descobrisse que o lugar onde vive em breve vai ficar submerso e todos terão que ir embora? Como você passaria seus últimos dias? Enquanto alguns se preocupam com o presente, fazem planos para o futuro, passam os dias empacotando suas coisas para mudar de cidade, Keeley e seus colegas do ensino médio decidem aproveitar ao máximo o tempo que ainda têm juntos em Aberdeen. Para ela, o momento é perfeito para fazer seu sonho se tornar realidade: se declarar para o garoto que sempre amou, Jesse Ford. A vida de Keeley está prestes a virar de cabeça para baixo, e a sensação de que não há nada a perder é perfeita para dar a ela a coragem de fazer o que normalmente não faria. Ou falar o que não falaria. E o risco quase sempre vale a recompensa. Quase sempre. Pode ser que seja o fim de Aberdeen, mas certamente é o começo da história de Keeley. Talvez nada tome o rumo esperado. Ou quem sabe tudo se encaixe para sempre. Seja como for, há coisas que só sobrevivem na memória – seja uma cidade ou um primeiro amor.

ESTARÁ ABERDEEN AFUNDANDO?

Ela mora numa pequena cidade chamada de Aberdeen, o clima é algo que anda meio esquisito nos últimos meses já que o período de chuva parece não ter fim. Mas o que Keeley não sabia era que as temperaturas não estavam diminuindo á toa e que todas as suas expectativas e sonhos seriam destruídos quando ela menos imaginasse. 

Keeley, a protagonista é uma adolescente que gosta de contar piadas, nunca foi de ficar com muitos garotos, mas tem uma paixão por Jesse, o atleta mais gato do colégio de Aberdeen, ele nunca tinha olhado para ela até um certo dia quando os dois se encontraram em uma ação comunitária. Até ai tudo bem.


O pai de Keeley sofreu um acidente no qual acabou deixando ele sem emprego, e a mãe dela passou a cuidar das financias da família com a renda de enfermeira. Keeley, tinha duas amigas, Morgan e Elise. Porém, uma tinha espaço maior no seu coração, a Morgan ❤️, as mães de ambas eram melhores amigas desde a infância. A amizade é um dos assuntos mais abordados no livros, como lidamos com as pessoas a nossa volta e como podemos tornar a vida de uma pessoa feliz com o humor.

Mais sobre Keeley: Cursa o ensino médio, é alegre, gosta de se divertir e fazer os outros sorrirem. E diante dos problemas enfrentados na pequena cidade de Aberdeen, ela se sente na obrigação de fazer com que ninguém fique chorando pelos cantos. O que ela não percebe é que ás vezes ficar chorar também é necessário.

"Concluí que a melhor maneira de conseguirmos superar a insegurança era fazendo graça de nós mesmos."  

Assim como nossa protagonista, Jesse também leva as coisas na brincadeira e outros parecem se completar. Será? As vezes, as semelhanças que temos com alguma pessoa só nos mostra o quando ainda precisamos crescer e também nos revela os nossos próprio defeitos. Ainda assim, eles permanecem juntos fazendo palhaçadas, é o modo deles encararem os problemas decorrentes, se é o jeito certo ou não eles não sabem.

E as chuvas continuam, eis que o Governador e o Prefeito da cidade resolvem evacuar-la e construir uma represa, porém o Jill, pai de Keeley, resolver confrontar-los pois, segundo ele a família dele tinha história na cidade que não poderia ser apagada junto com a mesma. E ai começa as manifestações. O que não agrada em nada a mãe de Keeley, já que a segurança da família está sendo colocada em jogo já que as chuvas ainda permanecem constantes ou cada vez mais fortes.

Keeley, assim como o pai, não quer deixar a cidade mas, as enchentes acabam destruindo muitas casas e dentre ela a de Elise, sua amiga. Diante de tudo, as pessoas começam a irem embora e cada vez mais a cidade vai ficando vazia. Nada feliz com isso porém, sem condições de fazer nada em relação, Keeley resolve trabalhar com Levi, filho do xerife, no qual ela não é muita amiga. O trabalho requer em auxiliar na contagem de casas evacuadas e observar as condições das mesmas.

Sobre o Levi: ❤️ Nerd, que perdeu a mãe em um acidente de carro. É criado pelo pai e se esforça para ajuda-lo no cargo de xerife. Não tem muitos amigos e pretende sair da cidade o mais rápido possível. O pai dele não é muito amigo do pai de Keeley, o que acaba afastando os dois também, mas... 

Keeley, vai descobrindo os próprios erros, e vai crescendo com o passar o tempo. Porém, certas atitudes resultaram na perda da sua melhor amiga e apesar de tentar concertar, somente o tempo irá colocar as coisas de volta em seus lugares. 

A tristeza precisa ser sentida. 

Enfim, acontece um fato surpreendente lá e eles acabam saindo da cidade. O que aprender com esse livro é que nem sempre o que desejamos é o melhor para nós e que a tristeza não pode ser coberta com risadas. 

A história é interessante mas, eu confesso que esperava mais. Fim.


sábado, 14 de abril de 2018





A Sociedade do Anel - Numa cidadezinha indolente do Condado, um jovem hobbit é encarregado de uma imensa tarefa. Deve empreender uma perigosa viagem através da Terra-média até as fendas da Perdição, e lá destruir o Anel do Poder - a única coisa que impede o domínio maléfico do Senhor do Escuro.


Talvez não seja possível numa história longa agradar a todos em todos os pontos, nem desagradar a todos nos mesmos pontos;

Os hobbits... amam a paz e a tranquilidade.

A estrada em frente vai seguindo
Deixando a porta onde começa.
Agora longe já vai indo,
Devo seguir, nada me impeça;
Por seus percalços vão meus pés,
Até a junção com a grande estrada,
De muitas sendas através.
Que vem depois? Não sei mais nada.

Folha e relva, árvore e flor
Deixa passar aonde for.

Ali está meu coração; mas meu destino não é me acomodar em paz.

Mas muitas vezes a verdade se esconde nas mentiras.

E esta é outra razão pela qual o Anel deve ser destruído: enquanto permanecer no mundo, representará um perigo mesmo para os Sábios. Pois nada é mau no início. Até mesmo Sauron não era. Tenho medo de tomar o Anel para escondê-lo. E não vou tomá-lo para fazer uso dele. 

Que um herói só tem um papel pequeno nos grandes feitos.

E embora atualmente o amor e a tristeza estejam misturados em todas as terras, talvez o primeiro ainda cresça com mais força. 

O trabalho que nunca se começa é o que mais demora para terminar.


Namárie - Adeus! 


— Não importa. Aberdeen está oficialmente acabada. Todo mundo pode seguir com a vida.
— Alguns de nós não querem seguir com a vida.


Eu adorava dias chuvosos. O conforto de se esconder dentro de um suéter folgado. De meias grossas e galochas. De se aconchegar com a melhor amiga para compartilhar o guarda-chuva pequeno demais dela. O jeito sonolento, preguiçoso como um dia pode passar quando não há um único raio de sol no céu. 



Por que mexer em uma ferida que está tentando cicatrizar?



E você não vai encontrar tempo a menos que invente tempo.



ESTARÁ ABERDEEN AFUNDANDO?



Morgan sempre fora a pessoa mais importante da minha vida, mas em certas ocasiões eu me preocupava, pensando se o mesmo ainda valia para ela. Mas lá estava nossa amizade, nos envolvendo como se o zíper de um casaco fosse fechado, pronto para enfrentar a tempestade.



As pessoas dizem que às vezes é preciso uma tragédia para colocar nossas vidas em perspectiva e mostrar o que realmente importa.



Era incrível, de verdade, meu talento para encontrar luz mesmo no fim dos túneis mais escuros.



Concluí que a melhor maneira de conseguirmos superar a insegurança era fazendo graça de nós mesmos. 



Amizade é uma via de mão dupla.



Para eles, regras, estrutura e hierarquia haviam sido derrubadas como a barreira de areia que construíramos para nos proteger. Eles vagavam livremente pelos corredores, usavam celulares de maneira descarada.

Apenas o fato de ser tocada, ter as mãos de alguém ao meu redor, me querendo, fazia com que cada terminação nervosa do meu corpo fosse amplificada, sua intensidade lá no alto. Não conseguia acreditar que eu me tornara a garota que sempre observara de longe com inveja, a menina nos braços de Jesse.




Não tem nada a ver com dinheiro. E sim com nossa identidade. Minha família reside em Aberdeen há mais de cento e cinquenta anos, em uma rua batizada em homenagem ao meu trisavô. Não vamos encontrar isso em outra cidade. É o tipo de coisa pela qual vale a pena lutar.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Ninguém nunca disse que a vida seria justa.


Google imagens



Gosto de deitar a seu lado quando está tarde, escuro e tão silencioso que ouço as batidas do meu coração. É em momentos como esse que tenho certeza de que estou amando.


Nos filmes sempre é possível saber quando as pessoas devem ficar juntas, pois a música envolve o ambiente - tolo, mas é verdade.


Tente não me julgar. Lembre-se de que somos iguais, eu e você. Também pensei que fosse viver para sempre.


É engraçado, não é? Quando se é novo, só se quer crescer, e depois só se quer voltar a ser criança.


Costumava pensar que o amor era isso: conhecer alguém tão bem que é como se ele fosse parte de você. Mas sinto cada vez mais que não o conheço.


Ao sair do ginásio penso em como as pessoas são estranhas. Você pode vê-las todos os dias -  e pensar que as conhece -  e depois descobrir que não conhece nada.


É a coisa mais esquisita. Sou popular - muito popular -, mas não tenho tantos amigos. O que é mais estranho é que é a primeira vez que percebo isso.


Desculpe por sempre ter sido péssima. Desculpe por haver alguma coisa errada comigo.


Mas para alguns de nós só existe hoje. E a verdade é que nunca se sabe.


É, bem, vai ver estou mudando. - Também não queria dizer essas palavras, até escutá-las. Então, penso que pode ser verdade, e sinto uma ponta de esperança. Talvez ainda haja chance para mim, afinal. Talvez eu precise mudar.


É possível namorar sério alguém que não a conhece de verdade?


Mas acho que Izzy não se importa. Eis mais uma coisa que acho engraçada: minha irmã de 8 anos ser mais corajosa do que eu. Ela, provavelmente, é mais corajosa do que a maioria das pessoas do Thomas Jefferson. Fico imaginando se isso um dia vai mudar, se será arrancado dela.


"Não se pode voltar para casa" - é que os lugares não necessariamente mudam, mas as pessoas, sim. Então, nada parece igual.


Acho que o segredo é esse, se você gostaria que as coisas voltassem a ser como antes. Basta olhar para cima.


Você não precisa de concerto.


Percebo que nunca fiz nada de bom de verdade para alguém, pelo menos há muito tempo não faço.


- Naquele dia prometi que seria o seu herói também, independente de quanto tempo demorasse - ele sussurra.


A gravidade não é responsável por quem cai de amor.


É como a brincadeira que costumávamos fazer quando éramos pequenas, em que tínhamos que evitar todos os buracos na calçada, caso contrário significaria que mataríamos nossas mães.


De agora em diante, farei as coisas direito. Serei uma pessoa diferente, uma pessoa boa. Serei o tipo de pessoa que seria bem-lembrada, não apenas lembrada.


Examinando o meu rosto com os olhos, fazendo aquela coisa que faz eu me sentir como se ele estivesse me virando do avesso e olhando diretamente para o meu coração.


— É tarde demais — ela diz.
 — Nunca é tarde demais — digo. 

Siga-me @amanhecer.s